A empresa de criptomoedas falida FTX está perdendo US $ 1 bilhão em fundos de clientes, dizem fontes

Pelo menos US$ 1 bilhão em fundos de clientes desapareceram da exchange de criptomoedas FTX em colapso, de acordo com duas pessoas familiarizadas com o assunto.

O fundador da exchange, Sam Bankman-Fried, transferiu secretamente US$ 10 bilhões em fundos de clientes da FTX para a Alameda Research, empresa de trading do Bankman-Fried, disseram as pessoas à Reuters.

Grande parte desse total desapareceu desde então, disseram eles. Uma fonte colocou o valor perdido em cerca de US$ 1,7 bilhão. O outro disse que a diferença estava entre US$ 1 bilhão e US$ 2 bilhões.

Embora se saiba que a FTX transferiu fundos de clientes para a Alameda, os fundos perdidos são relatados aqui pela primeira vez.

O buraco financeiro foi revelado em documentos que Bankman-Fried compartilhou com outros executivos seniores no último domingo, segundo as duas fontes. Os registros forneceram um relato atualizado da situação na época, disseram eles. Ambas as fontes ocuparam cargos seniores na FTX até esta semana e disseram que foram informadas sobre as finanças da empresa por funcionários de alto escalão.

A FTX, com sede nas Bahamas, entrou com pedido de falência na sexta-feira, após uma onda de saques de clientes no início desta semana. Um acordo de resgate com a exchange rival Binance fracassou, precipitando o crash mais importante em criptomoedas nos últimos anos.

Em mensagens de texto para a Reuters, Bankman-Fried disse que “discorda da caracterização” da transferência de US$ 10 bilhões.

“Nós não transferimos secretamente”, disse ele. “Tínhamos uma rotulagem interna confusa e a interpretamos mal”, acrescentou, sem dar mais detalhes.

Questionado sobre os fundos perdidos, Bankman-Fried respondeu: “???”

A FTX e a Alameda não responderam aos pedidos de comentários.

Em um tweet na sexta-feira, Bankman-Fried disse que estava “juntando” o que aconteceu na FTX. “Fiquei chocado ao ver as coisas se desenrolarem do jeito que aconteceram no início desta semana”, escreveu ele. “Eu estarei escrevendo um artigo mais abrangente em breve.”

No centro dos problemas da FTX estavam as perdas na Alameda que a maioria dos executivos da FTX desconhecia, informou a Reuters anteriormente.

As retiradas de clientes aumentaram no domingo passado depois que Changpeng Zhao, CEO da gigante das exchanges de criptomoedas Binance, disse que a Binance venderia toda a sua participação no token digital da FTX, no valor de pelo menos US$ 580 milhões, “devido a revelações recentes”. Quatro dias antes, o canal de notícias CoinDesk informou que uma grande parte dos US$ 14,6 bilhões em ativos da Alameda estava no token.

Naquele domingo, Bankman-Fried teve uma reunião com vários executivos em Nassau, capital das Bahamas, para calcular quanto financiamento externo ele precisava para cobrir o déficit da FTX, disseram as duas pessoas com conhecimento das finanças da FTX.

Bankman-Fried confirmou à Reuters que a reunião ocorreu.

Bankman-Fried mostrou várias planilhas para funcionários das equipes regulatórias e jurídicas da empresa que revelaram que a FTX transferiu cerca de US$ 10 bilhões em fundos de clientes da FTX para a Alameda, disseram as duas pessoas. As planilhas mostravam quanto dinheiro a FTX emprestou à Alameda e para que foi usado, disseram eles.

Os documentos mostraram que entre US$ 1 bilhão e US$ 2 bilhões desses fundos não foram contabilizados entre os ativos da Alameda, disseram as fontes. As planilhas não mostravam para onde esse dinheiro havia sido movimentado, e as fontes disseram que não sabiam o que havia acontecido com ele.

Após uma revisão posterior, as equipes jurídica e financeira da FTX também descobriram que Bankman-Fried havia implementado o que os dois descreveram como uma “porta dos fundos” no sistema de contabilidade da FTX, que foi construído usando software personalizado.

Eles disseram que a “porta dos fundos” permitia que Bankman-Fried executasse comandos que poderiam alterar os registros financeiros da empresa sem alertar outras pessoas, incluindo auditores externos. Essa configuração significava que o movimento dos US$ 10 bilhões em fundos para a Alameda não desencadeou nenhum alerta interno de conformidade ou contabilidade na FTX, disseram eles.

Em sua mensagem de texto para a Reuters, Bankman-Fried negou a criação de uma “porta dos fundos”.

A Comissão de Valores Mobiliários dos EUA está investigando a manipulação de fundos de clientes pela FTX.com, bem como suas atividades de empréstimo de criptomoedas, disse uma fonte familiarizada com a investigação à Reuters na quarta-feira. O Departamento de Justiça e a Commodity Futures Trading Commission também estão investigando, disse a fonte.

A falência da FTX marcou uma reversão impressionante para Bankman-Fried. A FTX de 30 e poucos anos estabeleceu a FTX em 2019 e a levou a se tornar uma das maiores exchanges de criptomoedas, acumulando uma fortuna pessoal estimada em quase US$ 17 bilhões. A FTX foi avaliada em janeiro em US$ 32 bilhões, com investidores como SoftBank e BlackRock.

A crise enviou reverberações em todo o mundo das criptomoedas, com o preço das principais moedas despencando. E o colapso do FTX faz comparações com os principais colapsos comerciais anteriores.

Na sexta-feira, a FTX disse que cedeu o controle da empresa para John J. Ray III, o especialista em reestruturação que lidou com a liquidação da Enron Corp – uma das maiores falências da história.